sexta-feira, fevereiro 11, 2011

Futebol - Postagem número 100 !

Tava eu na arquibancada da quadra da escola
aguardando meu filho fazer o teste com o canibal
Canibal é o apelido carinhoso do professor de futebol da escola
Então é isso eu tava lá esperando
E o testezinho durava 2 horas
de 18:30 até 20:30
sentado
na arquibancada dura
é isso.
Então no meio do treino começou o coletivo
Formaram-se times e tal e tudo mais
Ouvi um grito de um deles: "Nossa, mas que bomba!"
referindo-se ao chute forte do coleguinha
E eu, super desinteressado que sou em futebol, já comecei a devanear
e me perguntava qual bomba ou explosão
que sem controle,
provoca uma reação em cadeia que destrói o mundo todo?
Era fissão nuclear ou fusão nuclear?
E daí já mudei o pensamento para a conexão entre chutar forte e a palavra bomba
Me ocorreu que deveria ser bomba somente quando a bola explodisse com força no peito do goleiro
E lembrei que eu sempre fui goleiro e já ia desviar meus pensamentos quando, de repente:
- ISSO! Tem que meter a bola pro pivô que tá sozinho!
pufffffff, fui trazido de volta pro mundo real
Era um pai, que como eu, assistia ao treino
mas ele estava quase participando do treino tamanha era sua empolgação
Depois do grito voltei ao meu mundinho e pensei qual livro eu poderia levar para ficar lendo durante 2 horas da quarta e sexta que são os dias do treino
e pensei que tenho quatro livros sem terminar
e então:
- Vai gente! Cês deixam o cara livre ali ó!
Mas que cara idiota, pensei, gritando na minha orelha!
Eu tô ali alheio ao futebol, pensando nas minhas coisinhas do meu mundinho autista
e ele me interrompe aos berros como se fizesse parte do jogo
Me desconcentrei, olhei pra ele, e pensei em como uma coisa tão distante de mim consegue causar tanta emoção no outro
Avaliei a situação e lembrei-me que o cinema faz isso comigo
E que cada um é cada um e bla bla bla
- Presta atenção no jogo Eduardo!!!!!!
Mas que droga, eu não fico gritando no cinema, e também não quero entender que sou eu que estou no lugar errado, ele que contenha-se!
Então olhei pra ele furioso por dentro, mas ele sorriu de volta.
Cacete! Sorrir de volta desarma a gente.
Voltei aos meus pensamentos
Quando estava quase conseguindo ficar totalmente alienado aos gritos do pai doido eis que o sujeito me aborda:
- A turminha de verde (colete verde) é meio tímida no jogo né?
Aí não, aí não dá! Que fique com seus malditos interesses mas me envolver no jogo não. Não dá! Não tem jeito!
Respondi:
- É verdade, precisam se soltar mais.
Seja lá o que for isso que eu disse.
E emendei:
- Onde tem água por aqui? Vou caçar um bebedouro. Até mais.
Realocado na varanda do andar de cima da quadra, voltei ao meu mundo e meus pensamentos... Se a humanidade cresce sem parar, e se a cada nascimento um espírito reencarna no corpo, uma hora vão faltar espíritos e as pessoas vão ter que nascer sem alma... Ah, agora sim, feliz...

Um comentário:

Mônica Cristina disse...

"Eles precisam se soltar mais" kkkkkkkkkkkkkk
Consegui até imaginar vc falando e saindo rss